março 02, 2007

Dia Mundial do Teatro


O Dia Mundial do Teatro foi criado em 1961 pelo Instituto Internacional do Teatro (ITI). O Dia Mundial do Teatro celebra-se anualmente a 27 de Março nos Centros ITI e na comunidade teatral internacional. Organizam-se diversos eventos nacionais e internacionais para assinalar a ocasião. Um dos mais importantes é a circulação da Mensagem Internacional, tradicionalmente escrita por uma personalidade do teatro de dimensão mundial a convite do Instituto Internacional do Teatro.


Mensagem Internacional

Foi durante meus primeiros anos de escola que eu me tornei fascinado pelo teatro, aquele mundo mágico que me cativou desde então.

Os inícios foram modestos, um encontro casual que eu só via como uma actividade extracurricular para enriquecer a mente e o espírito. Mas foi muito mais do que isso quando eu me tornei seriamente envolvido como escritor, actor e director de uma produção teatral. Recordo-me que foi uma peça política que irritou as autoridades daquela época. Foi tudo confiscado, e o teatro foi fechado diante dos meus próprios olhos. Mas o espírito do teatro não pode ser esmagado pelo peso das botas de soldados armados. Esse espírito procurou refúgio e determinado se alojou no mais profundo do meu ser, fiquei completamente ciente do vasto poder do teatro. Foi então que a verdadeira essência do teatro teve impacto em mim da maneira mais profunda, levando-me a estar absolutamente convencido do que o teatro pode fazer à vidas das nações, particularmente frente aqueles que não podem tolerar a oposição ou as diferenças de opinião.

O poder e o espírito do teatro se enraizaram profundamente na minha consciência ao longo dos anos na universidade do Cairo. Avidamente lia quase tudo o que foi escrito sobre teatro, e vi os diversos alcances do que era apresentado em palco. Esta consciência se aprofundou ainda mais nos anos subsequentes, enquanto eu tentava seguir os últimos progressos no mundo do teatro.

Em minhas leituras, sobre teatro, desde o tempos da Grécia antiga até à actualidade, eu tornei-me ciente da mágica interior que os muitos mundos do teatro têm o poder exercer. É desta forma que o teatro alcança as profundidades recônditas da alma, e abre os tesouros que se encontram escondidos nas profundidades do espírito humano. Isto fortaleceu minha já imperturbável fé no poder do teatro, no teatro como um instrumento do unificação através do qual o homem pode difundir o amor e paz. O poder do Teatro também permite que se abram novos canais de diálogo entre raças diferentes, etnias diferentes, cores diferentes e credos diferentes. Isto ensinou-me pessoalmente a aceitar os outros tal qual como são e me deu a convicção de que na bondade a humanidade se pode manter unida, e no mal a humanidade poderá ser unicamente dividida. De facto, a luta entre bem e o mal é intrínseca aos códigos do teatro. Finalmente, todavia, o senso comum prevalecerá e a natureza humana em seu todo se agrupará em si a tudo o que é bom, puro e virtuoso.

As guerras com que a humanidade tem sido afligida desde tempos ancestrais têm sempre sido causadas por instintos ruins que simplesmente não reconhecem a beleza. O teatro aprecia a beleza, e poderia argumentasse que nenhuma forma de arte é capaz de captar a beleza com maior fidelidade do que o teatro. O Teatro é um receptáculo que abrange todas as expressões de beleza, e aqueles que não valorizam a beleza não podem valorizar a vida.

Teatro é vida. Nunca houve uma época como a de agora em que é incumbindo a todos nós denunciar guerras fúteis e as diferenças doutrinais que frequentemente levantam as suas caraças, determinados por uma consciência vibrante de responsabilidade. Necessitamos de pôr fim às cenas da violência e matanças aleatórias. Estas cenas têm se tornado corriqueiras no mundo de hoje, somente agravadas por diferenças abismais entre a opulência perversa e abjecta pobreza, e por doenças como a “sida”que têm devastado muitas partes do globo e derrotado os melhores esforços de erradica-la. Estes males são, juntamente com outras formas de sofrimento da desertificação às secas, calamidades provocadas pela ausência de um diálogo genuíno que é o caminho seguro para sintonizar o nosso mundo num lugar mais feliz e melhor.

A gente de Teatro, é quase como se tivesse sido golpeada com uma tormenta, e oprimida pela poeira da dúvida e da suspeita que nos está envolvendo.

A visibilidade tornou-se quase totalmente eclipsada, e as nossas vozes estridentes e mal audíveis no clamor e divisão intentam em manter-nos aparte uns dos outros. De facto, se não fosse por nossa profundamente e enraizada convicção no diálogo manifestado excepcionalmente por formas de arte como o teatro, teríamos sido afugentados por uma tempestade que não deixa pedras por voltar para nos dividir. Nós devemos, consequentemente, enfrenta-los e desafiar aqueles que nunca se cansam de agitar as tempestades. Nós devemos enfrenta-los, não para os destruir, mas subir acima da atmosfera contaminada deixada no despertar de suas tempestades. Nós necessitamos reunir os nossos esforços e dedica-los a comunicar nossa mensagem e estabelecer laços de amizade com aqueles que chamam por irmandade entre nações e as gentes.

Nós somos meros mortais, mas o teatro é tão eterno como a própria vida.

Sultão Bin Mohammed Al Qasimi

Traduzido por: Francisco Luz

International Theatre Institute (ITI)


Mensagem do Dia Mundial do Teatro* (Portugal)

Neste Dia Mundial do Teatro quero manifestar a minha admiração por todos aqueles que ao longo dos tempos dignificaram e fizeram desta arte e profissão um exemplo de vida, de manifestação artística e de mensagem política. Quem suportou a violência da censura de antes do 25 de Abril e recebeu a missão de comunicar e criar em liberdade, não pode ignorar a sua responsabilidade.
A todos aqueles que neste momento são gente de teatro, uma palavra de amizade, de solidariedade e confiança num futuro que estamos a criar.
Posso dizer que ser de teatro é ser maior, é ser diferente, é ser responsável. Vivemos numa época de preocupação com a guerra do Iraque, com a fome, com as desigualdades sociais, com a prostituição, o racismo e o flagelo da droga. Trabalhamos para um público que partilha das nossas preocupações.
Tenho o maior orgulho nos meus colegas e nos meus amigos. O egoísmo de que nos acusam é resultado da paixão que temos pela nossa profissão.
Um profissional vive, ri, sofre e ama profundamente o teatro.
É estranho quando nos deparamos com situações que pensamos que sabemos resolver. Quanto mais sabemos, mais temos a noção de que ainda há muito para aprender.
Aos mais novos, àqueles que por vezes terminam os seus cursos e depois ficam à espera de uma oportunidade, àqueles em quem eu acredito que serão o teatro do futuro, que serão os responsáveis por esta profissão maravilhosa, única. Garanto que vale a pena! O teatro não esquece aqueles que o amam e o servem sem se servirem dele. A vossa oportunidade chegará.
Por último, uma palavra muito especial, um aplauso diferente para Isabel de Castro e Canto e Castro.
Assim se faz o Teatro.

Carlos Avilez

*Para Portugal, escrita pelo encenador a convite da Sociedade Portuguesa de Autores

2 comentários:

Klatuu o embuçado disse...

OK... até pensei que fosse algum comunicado do Bin Laden! :)=

Francisco L disse...

klatuu:
Para esse personagem comunicar seja o que for deve ser necessário uma mesa pé de galo… ;-)